Wednesday, November 16, 2005

Hoje de tarde

(Falaram-me neste Poema hoje.
Conheço Camilo Pessanha como o Poeta da Água e não neste teor de Sentimento forte!
Fui à procura e encontrei-o.
Decidi que seria a minha particpação de hoje aqui!)

BRANCO E VERMELHO

A dor, forte e imprevista,
Ferindo-me, imprevista,
De branca e de imprevista
Foi um deslumbramento,
Que me endoidou a vista,
Fez-me perder a vista,
Fez-me fugir a vista,
Num doce esvaimento.

Como um deserto imenso,
Branco deserto imenso,
Resplandecente e imenso,
Fez-se em redor de mim.
Todo o meu ser, suspenso,
Não sinto já, não penso,
Pairo na luz, suspenso...
Que delícia sem fim!

Na inundação da luz
Banhando os céus a flux,
No êxtase da luz,
Vejo passar, desfila
(Seus pobres corpos nus
Que a distancia reduz,
Amesquinha e reduz
No fundo da pupila)

Na areia imensa e plana
Ao longe a caravana
Sem fim, a caravana
Na linha do horizonte
Da enorme dor humana,
Da insigne dor humana...
A inútil dor humana!
Marcha, curvada a fronte.

Até o chão, curvados,
Exaustos e curvados,
Vão um a um, curvados,
Os seus magros perfis;
Escravos condenados,
No poente recortados,
Em negro recortados,
Magros, mesquinhos, vis.

A cada golpe tremem
Os que de medo tremem,
E as pálpebras me tremem
Quando o açoite vibra.
Estala! e apenas gemem,
Palidamente gemem,
A cada golpe gemem,
Que os desequilibra.

Sob o açoite caem,
A cada golpe caem,
Erguem-se logo. Caem,
Soergue-os o terror...
Até que enfim desmaiem,
Por uma vez desmaiem!
Ei-los que enfim se esvaem,
Vencida, enfim, a dor...

E ali fiquem serenos,
De costas e serenos.
Beije-os a luz, serenos,
Nas amplas frontes calmas.
Ó céus claros e amenos,
Doces jardins amenos,
Onde se sofre menos,
Onde dormem as almas!

A dor, deserto imenso,
Branco deserto imenso,
Resplandecente e imenso,
Foi um deslumbramento.
Todo o meu ser suspenso,
Não sinto já, não penso,
Pairo na luz, suspenso
Num doce esvaimento.

Ó morte, vem depressa,
Acorda, vem depressa,
Acode-me depressa,
Vem-me enxugar o suor,
Que o estertor começa.
É cumprir a promessa.
Já o sonho começa...
Tudo vermelho em flor...
Camilo Pessanha
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
The above Poem is called Red and White and it was Camilo Pessanha who wrote it.
I was told about this Poem this early evening. I know the Poet but I didn't know this Poem.
I looked for it , found it and made it today's post.
Unfortunately I couldn't find any translation.
If I ever find it in the coming days I'll add it here.
The Poem speaks of pain and the strong wish to overcome it.
The final release will be achieved through a strongly wished death which will lead the Poet to Nirvana where Light and delight are the prevailing sensations.

1 comments:

Não conhecia este poema de Camilo Pessanha e adorei! É também por isto que gosto do teu blog, trazes sempre coisas bonitas e interessantes no domínio da poesia. Continua assim, amiga! bjs

Post a Comment

Newer Post Older Post Home